FELIZ 2016

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

DONA INÊS-PB, ELEIÇÕES-2016, FASES ATUAIS DOS PROCESSOS...

FASE ATUAIS DOS PROCESSOS ELEITORAIS REFERENTE AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE 2016 EM DONA INÊS-PB...

*REPRESENTAÇÃO*

PROCESSO: Nº 0000152-24.2016.6.15.0014

REPRESENTANTES:
-COLIGAÇÃO UNIDOS POR UM NOVO CAMINHO
-RAIMUNDO JORGE PEREIRA LUNA DE MENEZES, (Representante da Coligação)

ADVOGADO:
-ANTONIO ADRIANO DUARTE BEZERRA

REPRESENTADOS:
-COLIGAÇÃO A VONTADE DO POVO
-JOÃO IDALINO DA SILVA, (candidato)
-DEMÉTRIO FERREIRA DA SILVA, (candidato)

JUIZ(A):
-JAILSON SHIZUE SUASSUNA...

FASE ATUAL (Em tramitação):
DATA:21/08/2017
HORAS:1054
ANDAMENTO:
Autos conclusos
DATA:21/08/2017
HORAS:10:51
ANDAMENTO:
Manifestação do MPE PELO ARQUIVAMENTO

DATA:12/05/2017
HORAS:09:47
ANDAMENTO:
Vista ao MPE EM 12 DE MAIO DE 217.

DATA:12/05/2017
HORAS:09:47
ANDAMENTO:
Registrado Despacho de 12/05/2017. Mero expediente (Cód.11010) VISTAS AO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL.

DATA:12/05/2017
HORAS:09:43
ANDAMENTO:
Autos conclusos

DATA: 02/03/2017
HORAS: 16:28
Desconsiderar o andamento:
Desconsiderar o andamento: Solicito seja desconsiderado o andamento imediatamente anterior, tendo em vista que o mesmo se aplica à carta precatória de protocolo nº 9.644/2015 que corresponde ao processo 4-47.2015.6.15.0014.
Perdão pelo equívoco.

Audiência realizada AUDIÊNCIA REALIZADA EM 29 DE ABRIL DE 2015. NESTA DATA FOI FEITA A SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO, ENCONTRANDO-SE O RÉU COMPARECENDO AO FÓRUM ELEITORAL PARA ASSINAR O TERMO DE SUSPENSÃO CONDICIONAL. O MESMO COMEÇOU A ASSINAR NO DIA 30.06.2015 E FINALIZARÁ NO DIA 30.04.2017. O MESMO SE ENCONTRA EM DIA COM O SEU COMPARECIMENTO...

*AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL*

PROCESSO: Nº 0000156-61.2016.6.15.0014

INVESTIGANTES:
-COLIGAÇÃO "UNIDOS POR UM NOVO TEMPO", COLIGAÇÃO CONCORRENTE NAS ELEIÇÕES DE 2016
-JOSÉ CLODOALDO MAXIMINO RODRIGUES, REPRESENTANTE DA COLIGAÇÃO

ADVOGADO:
-ANTÔNIO ADRIANO DUARTE BEZERRA

INVESTIGADOS:  
-ANTÔNIO JUSTINO DE ARAÚJO NETO
-JOÃO IDALINO DA SILVA, PREFEITO ELEITO NAS ELEIÇÕES DE 2016 EM DONA INÊS/PB
-DEMÉTRIO FERREIRA DA SILVA, VICE PREFEITO ELEITO NAS ELEIÇÕES DE 2016 EM DONA INÊS/PB
-JOSÉ IGOR DENIZAR COSTA DA SILVA, CANDIDATO AO CARGO DE VEREADOR
-SOFIA ULISSES SANTOS QUEIROZ
-CALINY MUNIZ DE LIMA
-TARCIANA LUCENA NUNES DE CARVALHO

ADVOGADOS:
-HILTON SOUTO MAIOR NETO
-KENNEDY GUSMÃO GAMA DA SILVA
-MARTINHO CUNHA MELO FILHO

JUIZ(A):
JAILSON SHIZUE SUASSUNA...

FASE ATUAL (Em tramitação):
DATA:22/09/2017
HORAS:13:33
ANDAMENTO:
Juntada do documento nº 28.991/2017 ALEGAÇÕES FINAIS DO INVESTIGANTE
DATA:21/09/2017
HORAS:10:57
ANDAMENTO:
Prazo aberto para alegações finais abertura de prazo em 20.09.2017
DATA:21/09/2017
HORAS:10:56
ANDAMENTO:
Audiência realizada Audiência de oitiva de testemunhas realizada com sucesso, ocasião em que o MM. Juiz Eleitoral já abriu aos advogados e Ministério Público prazo para alegações finais.




 *AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL*

PROCESSO: Nº 0000157-46.2016.6.15.0014

INVESTIGANTES:

-COLIGAÇÃO "UNIDOS POR UM NOVO CAMINHO", CONCORRENTE NAS ELEIÇÕES DE 2016 EM DONA INÊS/PB

ADVOGADO:
-ANTÔNIO ADRIANO DUARTE BEZERRA

INVESTIGADOS:
-ANTÔNIO JUSTINO DE ARAÚJO NETO, PREFEITO DE DONA INÊS À ÉPOCA DAS ELEIÇÕES
-JOÃO IDALINO DA SILVA, PREFEITO ELEITO NAS ELEIÇÕES DE 2016 EM DONA INÊS/PB

ADVOGADOS:
-HILTON SOUTO MAIOR NETO
-HENRIQUE SOUTO MAIOR MUNIZ DE ALBUQUERQUE

JUIZ(A):
-JAILSON SHIZUE SUASSUNA

FASE ATUAL (Arquivada na seção):
DATA:10/05/2017
HORAS:09:43
ANDAMENTO:
Arquivado na seção.
DATA:10/05/2017

HORAS:09:43
ANDAMENTO:
Arquivado na seção.

DATA:10/05/2017
HORAS:09:42
ANDAMENTO:
Certidão/termo TRÃNSITO EM JULGADO EM 17 DE MARÇO DE 2017.

DATA: 16/03/2017
HORAS: 13:16
Andamento:
 Registrado Sentença de 14/03/2016. Sem Mérito - Arquivamento. (cód. 228 CNJ). LITISPENDÊNCIA - EXTINÇÃO DO PROCESSO...

*AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL*

PROCESSO: Nº 0000162-68.2016.6.15.0014

INVESTIGANTES:
-COLIGAÇÃO UNIDOS POR UM NOVO CAMINHO, COLIGAÇÃO CONCORRENTE NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE DONA INÊS/PB
-JOSÉ CLODOALDO MAXIMINO RODRIGUES, REPRESENTANTE DA COLIGAÇÃO

ADVOGADO:
-ANTÔNIO ADRIANO DUARTE BEZERRA

INVESTIGADOS: 
-ANTÔNIO JUSTINO DE ARAÚJO NETO, PREFEITO DE DONA INÊS ANTES DAS ELEIÇÕES
-JOÃO IDALINO DA SILVA, PREFEITO ELEITO NAS ELEIÇÕES DE 2016
-DEMÉTRIO FERREIRA DA SILVA, VICE-PREFEITO ELEITO NAS ELEIÇÕES DE 2016

ADVOGADOS:
-HILTON SOUTO MARIOR NETO
-KENNEDY GUSMÃO GAMA DA SILVA
-MARTINHO CUNHA MELO FILHO

JUIZ (A):
-JAILSON SHIZUE SUASSUNA

FASE ATUAL (Em Tramitação):
DATA:20/09/2017
HORAS:18:48
ANDAMENTO:
Recebido
DATA:20/09/2017
HORAS:13:06
ANDAMENTO:
Enviado para PRE. Vista ao MPE .
DATA:29/08/2017
HORAS:14:37
ANDAMENTO:
Enviado para PROTOCOLO. Encaminhado para o TRE em grau de recurso
DATA:29/08/2017
HORAS:14:36
ANDAMENTO:
Certidão/termo TEMPESTIVIDADE DE CONTRARRAZÕES DO INVESTIGANTE; AUSÊNCIA DAS RAZÕES DOS INVESTIGADOS
DATA:24/08/2017
HORAS:13:47
ANDAMENTO:
Juntada do documento nº 26.030/2017 RECURSO ORDINÁRIO - VIA ORIGINAL
DATA:23/08/2017
HORAS:08:31
ANDAMENTO:
Dados alterados no Despacho de 22/08/2017.
DATA:22/08/2017
HORAS:12:58
ANDAMENTO:
Dados alterados no Despacho de 22/08/2017.
DATA:22/08/2017
HORAS:10:03
ANDAMENTO:
Registrado Despacho de 22/08/2017. Mero expediente (Cód.11010) RECEBIMENTO DE RECURSODATA:22/08/2017
HORAS:09:49
ANDAMENTO:

DATA:18/07/2017
DESPACHO DO JUIZ:

DISPOSITIVO

POSTO ISTO, nos termos do art. 37, § 1º da Constituição Federal, c/c o art. 73, II da Lei nº 9.504/97, JULGO PROCEDENTE A PRESENTE AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL, PARA CONDENAR ANTÔNIO JUSTINO DE ARAÚJO NETO; JOÃO IDALINO DA SILVA E DEMÉTRIO FERREIRA DA SILVA na multa no valor de R$ 10.641 (dez mil, seiscentos e quarenta e um reais) e SOFIA ULISSES SANTOS QUEIROZ E CALLINY MUNIZ DE LIMA na multa no valor de R$ 5.320,50 (cinco mil trezentos e vinte reais e cinquenta centavos).

Remeta-se cópia dos autos ao Ministério Público Estadual para apuração e, sendo o caso. Propositura da Ação Civil Pública por ato de Improbidade Administrativa por parte dos investigados.

Publique-se; Registre-se e intimem-se.

Notifique-se o representante do Ministério Público Eleitoral.

Bananeiras, 18 de julho de 2017.
JAILSON SHIZUE SUASSUNA


DATA:11/07/2017
HORAS:11:34
ANDAMENTO:
Autos conclusos
DATA:21/06/2017
HORAS:12:34:
ANDAMENTO:
Manifestação do MPE pedido de improcedência da ação.
DATA:21/06/2017
HORAS:12:29:
ANDAMENTO:
Autos retomados em 21.06.2017.
DATA:24/03/2017
HORAS:12:55
ANDAMENTO:
Vista ao MPE VISTA ABERTA AO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA ALEGAÇÕES FINAIS...
DATA:24/03/2017
HORAS:12:52
ANDAMENTO:
Certidão/termo CERTIDÃO DE TEMPESTIVIDADE DO PROTOCOLO DAS ALEGAÇÕES FINAIS...
DATA:24/03/2017
HORAS:12:43
ANDAMENTO:
Juntada do documento nº 8.512/2017 CONTRA-RAZÕES DOS INVESTIGADOS...
DATA:24/03/2017
HORAS:09:10
ANDAMENTO:
Juntada do documento nº 8.420/2017...
DATA:22/03/2017
HORAS:07:17
ANDAMENTO:
Prazo aberto para alegações finais nota de foro publicada em 22/03/2017, no DJE, nº 50, paginas 22/23...
DATA:21/04-2017
HORAS:11:40
ANDAMENTO:
Certidão/termo CERTIDÃO DE ACOSTAMENTO DE CERTIDÃO...
DATA:21/03-2017
HORAS:11:34
ANDAMENTO:
Juntada do documento nº 8.023/2017 FOTOGRAFIAS - DILIGÊNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL...
DATA:21/03-2017
HORAS:11:04;
ANDAMENTO:
Certidão/termo CERTIDÃO DE CONSECUÇÃO DE DILIGÊNCIA...
DATA:21/03-2017
HORAS:10/49
ANDAMENTO:
Juntada do documento nº 8.005/2017 PETIÇÃO - REQUERIMENTO DE JUNTADA DE DOCUMENTO...
DATA: 08/03/2017
HORAS: 12:12
ANDAMENTO:
Juntada do documento nº 7.475/2017 Substabelecimento de procuração...
DATA:16/03/2017
HORAS:10:26
 Audiência realizada 14.03.2017, REQUERIMENTO DA CONSECUÇÃO DE DILIGÊNCIAS POR PARTE DO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL...

Fonte: TRE-PB

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Temer e suas mentiras na ONU...

Autores de estudo citado na ONU desmentem Temer sobre queda no desmatamento da Amazônia!!!
"Trago a boa notícia de que os primeiros dados disponíveis para o último ano já indicam diminuição de mais de 20% do desmatamento naquela região. Retomamos o bom caminho e nesse caminho persistiremos", afirmou o presidente Michel Temer, em seu discurso de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, nesta terça-feira.
O problema é o que autores dos dados usados pelo presidente negam a informação.
O governo cita levantamento do instituto de pesquisa Imazon, que realiza levantamentos mensais sobre tendências de crescimento ou queda do desmatamento na Amazônia.
À BBC Brasil, um dos pesquisadores do instituto disse que a informação apresentada a líderes mundiais por Temer é "imprecisa" e "inadequada", e que políticas recentes do governo federal na realidade tenderiam a aumentar a destruição na Amazônia.
"Os dados que o Imazon mede mensalmente podem indicar uma tendência. Portanto, é possível que o desmatamento caia. Mas não podemos dizer 20% porque não temos a precisão que essa afirmação exige", diz o engenheiro florestal Paulo Barreto, pesquisador associado do Imazon.
"Estes não são dados oficiais. Os dados do governo ainda não foram divulgados e parece que o presidente está comparando dados oficiais do ano passado com os nossos, de agora, sendo que as metodologias são totalmente diferentes", afirmou.
Além disso, Barreto aponta que uma eventual redução não seria fruto de políticas públicas para a preservação do meio ambiente, como sugeriu o presidente.
"O governo mandou projetos de lei para o Congresso para reduzir áreas de conservação. Nossos estudos mostram que as taxas dobram com reduções como esta", afirma o pesquisador.
"Vários fatores contribuem com o desmatamento, desde politicas públicas até a economia e o mercado. Há uma relação histórica entre o preço do gado e as taxas de desmatamento. O aumento de preço aumenta o desmatamento, e vice-versa. E a crise econômica vem gerando uma queda neste preço."
O desmentido também foi apontado por outros pesquisadores do Imazon consultados pela BBC Brasil. Procurada, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República confirmou que Temer se baseou em dados do Imazon, mas não comentou as críticas até a publicação desta reportagem.

Estratégia

Em seu discurso de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, Temer destacou o "desenvolvimento sustentável" do país e ressaltou a "preocupação do governo com o desmatamento".
Ao citar a suposta "diminuição de mais de 20% no desmatamento da Amazônia", Temer afirmou que "nessa questão temos concentrado atenção e recursos".
"Na verdade, o governo está fazendo coisas que vão gerar aumento futuro no desmatamento", comentou o pesquisador do Imazon, usado como fonte por Temer na ONU.
A inclusão destes pontos no discurso na ONU, segundo fontes próximas ao presidente, seria uma estratégia para reverter a má impressão causada pela extinção da Reserva Nacional do Cobre e Derivados (Renca) e pelos cortes no financiamento de países como Dinamarca e Alemanha ao Fundo Amazônia, dedicado a financiar a preservação da floresta.
Em 2016, o desmatamento na região teve um aumento de 58%, o que levou países, personalidades e entidades internacionais a repreenderem publicamente o governo brasileiro.
Durante o pronunciamento a líderes de quase 200 países, Temer também reiterou o apoio brasileiro ao acordo de Paris, que visa reduzir as mudanças climáticas e o aquecimento global.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Temer lidera quadrilha desde que tomou lugar de Dilma, diz Janot...

Rodrigo Rocha Loures, Michel Temer, Eliseu Padilha: Da esq, para a dir., Rodrigo Rocha Loures, Henrique Alves, Michel Temer e Eliseu Padilha assistem à votação do impeachment de Dilma
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que o presidente Michel Temer (PMDB) é líder da organização criminosa formada por expoentes do PMDB, conhecida como “quadrilhão da Câmara”, desde maio de 2016, quando ascendeu ao cargo de presidente, ainda interinamente, no lugar de Dilma Rousseff (PT), afastada após a abertura do processo de impeachment dela na Câmara, comandada por Eduardo Cunha (PMDB), outro acusado.
Além de Cunha e Temer, integravam o “quadrilhão”, segundo Janot, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Governo), além dos ex-ministros Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves, além de Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor especial de Temer – ou seja, todos, em algum momento, integraram o primeiro escalão do governo federal após a saída de Dilma.
O esquema teria cobrado propina em órgãos como Petrobras, Furnas, Caixa Econômica Federal, Ministério da Integração Nacional e até a Câmara dos Deputados. Segundo Janot, o grupo desviou pelo menos R$ 587 milhões de propina.
Janot fez um registro histórico das nomeações e cargos ocupados desde que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi vitorioso nas eleições presidenciais de 2002 e precisava de mais espaço no Congresso Nacional. A entrada do “PMDB da Câmara” no governo começou a ser negociada em 2006, segundo o procurador-geral da República, “primordialmente em torno de dois interesses: a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF); e a necessidade de ampliação da base do governo em razão do processo do Mensalão, que havia enfraquecido o poder político da cúpula do Poder Executivo federal integrada por membros do PT”.
Esses temas, afirma a PGR, foram negociados por  Temer e Henrique Alves, na qualidade de presidente e líder do PMDB, que concordaram com ingresso do “PMDB da Câmara” na base do governo em troca de cargos chaves, como a presidência de Furnas, a vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias na Caixa Econômica, o Ministério da Integração Nacional e a diretoria internacional da Petrobras, entre outros. “No dia 30 de novembro de 2006, o Conselho Nacional do PMDB aprovou a integração da legenda, em bloco, a base aliada do governo Lula”, lembra Janot.
A PGR afirma que o papel de negociar os cargos junto aos demais membros do núcleo político da organização criminosa, no caso do subnúcleo do “PMDB da Câmara”, era desempenhado por Temer “de forma mais estável, por ter sido ele o grande articulador para a unificação do partido em torno do governo Lula”. Depois de definidos os espaços que seriam ocupados pelo grupo dos denunciados, afirma, Temer e Alves, este último líder do PMDB entre 2007 e 2013, eram os responsáveis maiores pela distribuição interna dos cargos, e por essa razão recebiam parcela da propina arrecadada por Moreira Franco, Geddel, Padilha e especialmente Eduardo Cunha.
Ainda de acordo com a PGR, Padilha, Geddel, Alves, Moreira Franco e Loures “têm relação próxima e antiga com Temer, daí porque nunca precisaram se valer de intermediários nas conversas diretas com aquele”. “Eram eles que faziam a interface junto aos núcleos administrativo e econômico da organização criminosa a respeito dos assuntos ilícitos de interesse direto de Michel Temer, que, por sua vez, tinha o papel de negociar junto aos demais integrantes do núcleo político da organização criminosa os cargos a serem indicados pelo seu grupo e era o único do grupo que tinha alguma espécie de ascensão sobre todos”, diz.

Transnacional

Janot informa ainda que a organização criminosa tinha atuação internacional, por meio de mecanismos de lavagem de dinheiro, como transferências bancárias internacionais – “na maioria das vezes, com o mascaramento em três ou mais níveis para distanciar a origem dos valores” – e a aquisição de instituição financeira com sede no exterior, “com o objetivo de controlar as práticas de compliance e, assim, dificultar o trabalho das autoridades”.

Investigação da PF

Nesta semana, a Polícia Federal entregou à Procuradoria-Geral da República o relatório da investigação sobre o chamado “quadrilhão do PMDB da Câmara” mostrando como funciona a estrutura do grupo, incluindo figuras do segundo escalão peemedebista, como Sandro Mabel e Tadeu Filipelli, ex-assessores de Temer.
Veja abaixo como seria essa estrutura, segundo a PF.
Michel Temer: segundo a PF, tinha “poder de decisão” no PMDB da Câmara e, em razão disso, recebeu 31,5 milhões de reais em propina dos esquemas de corrupção do grupo. Valor se divide entre os 500.000 reais entregues ao ex-assessor presidencial Rodrigo Rocha Loures por um executivo da JBS, os 10 milhões de reais que a Odebrecht teria pago ao PMDB a pedido de Temer em 2014, 20 milhões de reais referentes ao contrato PAC SMS da diretoria Internacional da Petrobras e 1 milhão de reais que teria sido entregue ao coronel aposentado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, amigo de longa data de Temer.
Eliseu Padilha: apontado pela PF como “longa manus” de Michel Temer na captação de propinas de empresas, teria recebido 4 milhões de reais da Odebrecht. O dinheiro seria parte dos 10 milhões de reais destinados pela empreiteira ao grupo político do presidente nas eleições de 2014. Os 6 milhões de reais restantes foram empregados na campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo em 2014.
Moreira Franco: atuava na cobrança de propinas ao lado de Padilha, conforme a PF. Enquanto secretário da Aviação Civil do governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), Moreira Franco teria viabilizado repasses de 5 milhões de reais da OAS à campanha de Temer em 2014 e de 4 milhões da Odebrecht, referentes à concessão de aeroportos.
Geddel Vieira Lima: também classificado pela PF como “longa manus” de Temer no recebimento de recursos ilícitos de empreiteiras, teve R$ 51 milhões em dinheiro vivo apreendidos em um apartamento em Salvador. Réu em um processo decorrente da Operação Cui Bono?, que investiga corrupção na Caixa Econômica Federal, Geddel está preso em Brasília desde a semana passada.
Eduardo Cunha: conforme a PF, o ex-deputado federal era, ao lado de Temer, líder da organização criminosa do PMDB da Câmara. Cunha mantinha indicados em cargos estratégicos à arrecadação de propinas, a exemplo de vice-presidências da Caixa e secretarias do Ministério da Agricultura, e cobrava propina de empresários. Já condenado na Lava Jato a 15 anos e 4 meses de prisão, o ex-presidente da Câmara está preso em Curitiba desde setembro de 2016.
Lúcio Funaro: próximo a Cunha, o doleiro intermediava dinheiro sujo ao grupo do PMDB da Câmara. Preso em Brasília desde julho do ano passado, Funaro fechou um acordo de delação com a Procuradoria-Geral da República (PGR), na qual afirma que Temer recebeu propina e cobrou doações ilegais para campanhas de aliados. O operador também distribuía valores oriundos da corrupção na Caixa. Apenas Geddel Vieira Lima teria recebido cerca de 30 milhões de reais do esquema, segundo Funaro.
Fábio Cleto: atuava ao lado de Cunha e Funaro no esquema de corrupção na Caixa. Como vice-presidente de fundos de governo e loterias do banco estatal, Cleto participava das reuniões que decidiam quais empresas receberiam dinheiro do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS). Ele fornecia as informações ao deputado e ao doleiro, que procuravam empresários e cobravam propina em troca da liberação dos investimentos.
Rodrigo Rocha Loures: indicado por Temer como interlocutor junto à JBS, o ex-assessor presidencial e ex-deputado federal foi flagrado pela PF recebendo uma mala com 500.000 reais em dinheiro vivo de um executivo da empresa. Rocha Loures foi preso na Operação Patmos e denunciado pela Procuradoria-Geral da República, ao lado de Temer, por corrupção passiva.
José Yunes: amigo de longa data de Temer, o advogado e ex-assessor presidencial recebeu em seu escritório, em São Paulo, parte dos 4 milhões de reais pagos a Eliseu Padilha pela Odebrecht. José Yunes diz ter sido “mula” do ministro, que, conforme a versão de Yunes, pediu para que um “documento” pudesse ser entregue no endereço e, depois, fosse retirado por outra pessoa. Quem deixou o pacote no escritório foi Lúcio Funaro.
Henrique Alves: o ex-presidente da Câmara e ex-ministro está preso desde junho na Operação Manus, que apura corrupção na construção da Arena das Dunas, em Natal. Ele é réu pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente ter dividido com Eduardo Cunha 11,5 milhões de reais em propina referentes à obra. Alves também está no banco dos réus ao lado de Cunha em uma ação penal por propinas no FI-FGTS.
Antônio Andrade: Lúcio Funaro afirma em sua delação premiada que Andrade, indicado por Temer ao Ministério da Agricultura do governo Dilma, pediu e recebeu 25 milhões de reais para favorecer as empresas do grupo JBS em 2014. O vice-governador mineiro também teria dividido com Temer e Cunha um repasse de 7 milhões de reais da empresa, operacionalizado por Funaro.
Tadeu Filippelli: ex-assessor presidencial e ex-vice-governador do Distrito Federal, foi preso na Operação Panatenaico, que investiga um suposto esquema de corrupção que desviou dinheiro da obra do estádio Mané Garrincha, em Brasília.
Sandro Mabel: PF cita suposto favorecimento do ex-deputado federal e ex-assessor presidencial em favor da empreiteira OAS em duas medidas provisórias no Congresso, além de suposto repasse de 10 milhões de reais de Funaro a Mabel, a pedido de Cunha.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Doria demite controladora-geral do município de São Paulo !!!

Não pode investigar !!!

Laura Mendes foi exonerada duas semanas após abrir investigação sobre cobrança de propina para liberar propagandas proibidas...


O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) demitiu a controladora geral do município, Laura Mendes Armando de Barros.

Ela estava no cargo há quase oito meses. Segundo a rádio CBN, ela foi demitida duas semanas depois da abertura da investigação da máfia da cidade limpa. De acordo com a Prefeitura, a demissão se dá por questões administrativas operacionais.

"A substituição se dá por razões administrativas operacionais e a Prefeitura reconhece e agradece os bons resultados obtidos por ela nos oito meses em que ficou à frente do órgão. Todos os processos e investigações abertos durante esse período terão continuidade, garantindo a independência da Controladoria conforme determina a legislação", diz a Prefeitura, em nota.

Laura comandava a investigação em que funcionários da prefeitura são acusados de cobrar propina para liberar propagandas proibidas pela Lei Cidade Limpa, em vigor desde 2007.

Das mais de 40 pessoas listadas para prestar esclarecimentos, 16 já foram ouvidas.

No lugar de Laura assume o advogado Guilherme Rodrigues Monteiro Mendes, que era ouvidor geral do município.

Em nota, Laura Mendes disse que continua dedicada à defesa do interesse público, retomando as atividades de procuradora do município.

Mais no G1 SP

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

REFORMA POLÍTICA OU MANUTENÇÃO DE MANDATOS ???

Entenda o que é o ' distritão'
video

A comissão da Câmara que analisa a reforma política aprovou nesta quinta-feira (10) uma emenda que estabelece o chamado "distritão" para a escolha de deputados federais, deputados estaduais e vereadores.

A comissão ainda não concluiu a análise dessa proposta, que passará também pelo plenário da Câmara (votação em dois turnos) e pelo Senado. Mas vale entender como funciona o sistema atual e quais são as mudanças discutidas.

COMO É HOJE - Proporcional com lista aberta
Como funciona o sistema

O eleitor vota no partido ou no candidato.

Os partidos podem se juntar em coligações.

O sistema permite o voto no partido e não somente no candidato.

É calculado o quociente eleitoral, que leva em conta os votos válidos no candidato e no partido.

Pelo cálculo do quociente, é definido o número de vagas que cada coligação ou partido terá direito.
São eleitos os mais votados das coligações ou partidos.

Efeitos de tipo de votação
"Puxadores de votos", candidatos com votação expressiva, garantem vagas para outros integrantes da coligação.

Exemplo de "puxador de voto": em 2010, o humorista Tiririca (PR-SP) recebeu 1.353.820 votos, o que beneficiou candidatos de sua coligação. O último eleito da coligação, Vanderlei Siraque (PT), e o penúltimo, Delegado Protógenes (PC do B), obtiveram cerca de 90 mil votos cada um. Candidatos de outras coligações que obtiveram votações superiores ficaram de fora.

O sistema permite que as coligações e partidos levem para as casas legislativas candidatos com votações expressivas e também outros não tão conhecidos.

A renovação do Legislativo tende a ser maior, porque os votos na legenda e nos "puxadores de voto" ajudam a eleger candidatos menos conhecidos.

O foco de muitas campanhas se concentra nas propostas dos partidos, e não em candidatos individuais.

COMO PODE FICAR - 'Distritão'

Como funciona o sistema

Cada estado ou município vira um distrito eleitoral.

São eleitos os candidatos mais votados.

Não são levados em conta os votos para o partido ou a coligação.

O que muda na prática

Torna-se uma eleição majoritária, como já acontece na escolha de presidente da República, governador, prefeito e senador.

Possíveis efeitos

O modelo acaba com os "puxadores de votos", candidatos com votação expressiva que garantem vagas para outros integrantes da coligação cuja votação é inexpressiva.

O foco das campanhas tende a passar para os candidatos, fazendo com que os programas dos partidos e das coligações percam espaço.

Com o favorecimento das campanhas individuais, candidatos com mais recursos podem ser beneficiados.

Pode favorecer os candidatos mais conhecidos, como celebridades ou parlamentares que tentam a reeleição, o que tornaria mais difícil a renovação.

MINHA OPINIÃO:
OU SEJA, TUDO QUE ELES FAZEM OU FINGEM QUE FAZEM, SÃO SEMPRE EM PRÓ DELES MESMOS (políticos), QUERENDO SEMPRE A PERPETUAÇÃO NO PODER, SEM FALAR NO TAL FINANCIAMENTO PÚBLICO BILIONÁRIO, O QUAL NÓS PAGAREMOS PARA SERMOS ENGANADOS POR ELES COM SUAS CAMPANHAS MENTIROSAS...

RESUMINDO PAGAMOS PARA SERMOS ENGANADOS E CONTINUAMOS PAGANDO PARA ELES NÃO FAZEREM NADA POR NÓS...

''Fácil de entender, difícil de aceitar''

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

VOCÊ SABE QUANTOS PARTIDOS POLÍTICOS EXISTEM NO BRASIL ???

EIS AQUI:
PARTIDOS ATUAIS
SIGLA
NOME DO PARTIDO
Nº da Legenda
1
PMDB
PARTIDO DO MOVIMENTO DEMOCRÁTICO BRASILEIRO
15
2
PTB
PARTIDO TRABALHISTA BRASILEIRO
14
3
PDT
PARTIDO DEMOCRÁTICO TRABALHISTA
12
4
PT
PARTIDO DOS TRABALHADORES
13
5
DEM
DEMOCRATAS
25
6
PC do B
PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL
65
7
PSB
PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO
40
8
PSDB
PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA
45
9
PTC
PARTIDO TRABALHISTA CRISTÃO
36
10
PSC
PARTIDO TRABALHISTA CRISTÃO
20
11
PMN
PARTIDO DA MOBILIZAÇÃO NACIONAL
33
12
PRP
PARTIDO REPUBLICANO PROGRESSIST
44
13
PPS
PARTIDO POPULAR SOCIALISTA
23
14
PV
PARTIDO VERDE
43
15
PT do B
PARTIDO TRABALHISTA DO BRASIL
70
16
PP
PARTIDO PROGRESSISTA
11
17
PSTU
PARTIDO SOCIALISTA DOS TRABALHADORES UNIFICADO
16
18
PCB
PARTIDO COMUNISTA BRASILEIRO
21
19
PRTB
PARTIDO RENOVADOR TRABALHISTA BRASILEIRO
28
20
PHS
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
31
21
PSDC
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
27
22
PCO
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
29
23
PODE
PODEMOS
19
24
PSL
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
17
25
PRB
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
10
26
PSOL
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
50
27
PR
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
22
28
PSD
PARTIDO SOCIAL DEMOCRÁTICO
55
29
PPL
PARTIDO PÁTRIA LIVRE
54
30
PEN
PARTIDO ECOLÓGICO NACIONAL
51
31
PROS
PARTIDO REPUBLICANO DA ORDEM SOCIAL
90
32
SD
SOLIDARIEDADE
77
33
NOVO
PARTIDO NOVO
30
34
REDE
REDE SUSTENTABILIDADE
18
35
PMB
PARTIDO DA MULHER BRASILEIRA
35
PARTIDO EM FORMAÇÃO
SIGLA
NOME DO PARTIDO
Nº da Legenda
1
PIRATAS
PARTIDO PIRATA

2
LIBER
LIBERTÁRIOS

3
ALN
AÇÃO LIBERTADORA NACIONAL

4
PC
PARTIDO CRISTÃO

5
NOVA
NOVA ALIANÇA RENOVADORA NACIONAL

6
PDS
PARTIDO DA DEFESA SOCIAL

7
PCI
PARTIDO DA CONSTRUÇÃO IMPERIAL

8
PRVP
PARTIDO DA REPRESENTAÇÃO DA VONTADE POPULAR

9
PSPB
PARTIDO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO BRASIL

10
FE
PARTIDO FEDERALISTA

11
RDP
REAL DEMOCRACIA PARLAMENTAR

12
POVO
PARTIDO DA ORGANIZAÇÃO DA VANGUARDA OPERACIONAL

13
POP
PARTIDO ORDEM E PROGRESSO

14
PPLE
PARTIDO POPULAR DE LIBERDADE E EXPRESSÃO

15
PMBr
PARTIDO MILITAR BRASILEIRO

16
PLB
PARTIDO LIBERAL BRASILEIRO

17
PH
PARTIDO HUMANISTA

18
RAIZ
RAIZ MOVIMENTO CIDADANIA

19
UP
UNIDADE POPULAR PELO SOCIALISMO

20
PRC
PARTIDO REPUBLICANO CRISTÃO

21
IDE
IGUALDADE

22
AN
ALIANÇA NACIONAL

23
PODE
PARTIDO DA ORDEM DA DEMOCRACIA E DA ÉTICA

24
MB
PARTIDO MUDA BRASIL

25
PNC
PARTIDO NACIONAL CORINTHIANO

26
PCBU
PARTIDO CATÍLICO BRASILEIRO UNIFICADO

27
PACO
PARTIDO CONSERVADOR

CADA TIPO DE PARTIDO !!!
ISSO SEM FALAR OS QUE JÁ MUDARAM DE NOMES VARIAS VEZES...