FELIZ 2016

sábado, 29 de março de 2014

'PORCO RELAXADO': PILOTO DA AVIANCA É DEMITIDO POR POST SOBRE NORDESTE

Eduardo Pfiffer disse que tudo no Nordeste era 'porco, nojento e medíocre'.
Voto de repúdio foi apresentado na Câmara Municipal de João Pessoa.

Piloto usou rede social para se desculpar após comentário contra nordestinos feito em João Pessoa (Foto: Reprodução/Facebook)
A empresa Aérea Avianca informou que não faz mais parte dos seus quadros o piloto Eduardo Pfiffer, que fez comentário preconceituoso contra nordestinos em uma rede social na quarta-feira (26) após dizer que foi mal atendido em um restaurante em João Pessoa. Um voto de repúdio foi apresentado na Câmara Municipal de João Pessoa na quinta-feira (27).

Pfiffer publicou em seu perfil em uma rede social que tudo no Nordeste era "porco, nojento e medíocre". Ainda na publicação, o piloto diz ter esperado cerca de uma hora para receber o pedido que havia feito em um restaurante em João Pessoa e ainda assim receber o pedido errado. “Depois de uma hora e dez esperando um filé de peixe simples, sem nada de diferente, eles conseguem errar e fazer outra coisa completamente diferente do cardápio, que não tem opção nenhuma. Lugar nojento!”, compartilhou.
Comentário feito na rede social gerou revolta entre nordestinos (Foto: Reprodução/Facebook)
No voto de repúdio, o vereador Helton Renê explica que o voto se faz necessário pela forma "agressiva e preconceituosa com a qual o piloto usou das redes sociais para denegrir a imagem do povo nordestino e, em especial, do cidadão pessoense".

No mesmo dia em que o comentário foi compartilhado por Eduardo Pfiffer, a empresa Avianca publicou uma nota informando que qualquer ato contrário à ética é desprezado pela empresa. A empresa de aviação esclareceu ainda que “repudia veementemente o comentário atribuído a um funcionário seu, veiculado nas redes sociais, de cunho preconceituoso”.

Nesta sexta-feira (28), o piloto voltou a usar as redes sociais para se desculpar do episódio. O agora ex-comandante de voo da empresa Avianca publicou que o comentário foi infeliz e feito "num momento de raiva e insatisfação”.

Em seu novo comentário, Eduardo Pfiffer diz que não tem nada contra as pessoas do Nordeste, lugar que, segundo ele, foi feliz com frequência. “Conheci lugares e pessoas incríveis, fiz amizades que perduram até hoje, sendo prova disso a minha namorada, que conheci em Recife”, escreveu.

Ainda segundo o piloto, o seu erro foi ter exposto toda a insatisfação de maneira errada, usando palavras e expressões incorretas. “Peço desculpas a quem se sentiu ofendido com minha publicação. Não sou e nunca tive preconceito de qualquer tipo principalmente com pessoas nordestinas, das quais muitas são meus amigos”, completou Pfiffer.
Após ser questionado por amigos na rede social, Pfiffer reforçou o que havia dito no primeiro comentário (Foto: Reprodução/Facebook)
Do G1

quarta-feira, 26 de março de 2014

Senador mais corrupto do país é autor de reforma que amordaça redes sociais.

DIÁRIO DO ESTADO-PR

Senador
A difusão de mensagens e comentários "ofensivos" à honra ou à imagem de candidatos, partidos e coligações será considerada crime e punível com cadeia e multa para o autor e seu contratante caso a presidenta Dilma Rousseff sancione sem vetos uma lei enviada pelo Congresso ao Palácio do Planalto na segunda-feira 25.
De acordo com a emenda do Senador Cássio Cunha Lima (PSDB), o autor de mensagens classificadas como criminosas será punido com multa de 5 mil reais a 30 mil reais e com prisão de seis meses a um ano. O castigo para quem o contratou é pior: de 15 mil reais a 50 mil reais de multa e de dois a quatro anos de cadeia.
Na justificativa por escrito que apresentou ao defender a criminalização, Cunha Lima dizia que as redes sociais tornaram-se poderosas na formação da opinião pública brasileira, mas “têm tido seu uso deturpado”, especialmente em períodos eleitorais. “Já se constatou”, dizia ele, “a contratação de grupo de pessoas para que realizem ataques, via internet, aos candidatos, partidos ou coligações”. Fonte : Trechos do Carta Capital
Conheça o Senador "ficha suja" Cássio Cunha Lima (PSDB) considerado um dos Políticos mais corruptos do País.
Cássio Cunha Lima, por sua vez, responde a dois inquéritos (fase preliminar de investigação que pode resultar ou não na abertura de ação penal), um por crimes da Lei de Licitações e outro por crimes eleitorais.
O Ex-governador da Paraíba, Cunha Lima, havia sido cassado por abuso de poder econômico e político pelo TSE por, entre outros ilícitos, distribuir 35 mil cheques pela Fundação de Ação Comunitária durante a campanha eleitoral de 2006. Quando da perda de mandato, ele foi declarado inelegível por três anos, prazo que venceu em 2009, mas a Justiça o incluiu entre os "fichas sujas" por conta do processo.
Família Cunha Lima corrupção e tentativa de assassinato
Outro mau exemplo envolvendo os Cunha Lima, deve-se ao não julgamento – pasmem – da tentativa de assassinato do ex-governador Tarcísio de Miranda Burity empreendida pelo pai de Cássio, o também ex-governador Ronaldo Cunha Lima, no dia 5 de novembro de 1993, no restaurante Gulliver na capital João Pessoa. Na época, Burity denunciava corrupção na SUDENE que envolveria o então superintendente do órgão, Cássio Cunha Lima.
Num ato típico de prática coronelista, o governador Ronaldo Cunha Lima tomou as dores do filho Cássio e disparou três tiros contra Burity, que sobreviveu ao atentado, mas ficou com sequelas ao longo da vida. O ex-governador Burity faleceu em 2003. . Já o processo contra Ronaldo Cunha Lima, retornou a justiça comum após o ex-governador renunciar ao cargo de deputado federal em 2007, manobra política que o livrou do julgamento que estaria para acontecer no Supremo Tribunal Federal (STF), instância da justiça responsável pelo julgamento de políticos com mandato. O processo contra Ronaldo Cunha Lima continua rolando até hoje.
Almoço de 7,5 mil
Senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) é um dos reis da mordomia na "farra da boca livre". O parlamentar espetou uma conta de R$ 7,5 mil no contribuinte por uma única refeição numa famosa churrascaria. "A farra não tem fim nem limite".
Contra a PEC da Corrupção
“Eu sou contra a PEC 37”, assim iniciou a sua fala, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) durante evento promovido pelo Ministério Público da Paraíba na manhã de 14 de Junho de 2013, na Estação Ciência Cultura e Artes em João Pessoa. A Proposta de Emenda à Constituição número 37, pretende acrescentar um parágrafo à Carta Magna, restringindo a investigação criminal às polícias Civil e Federal. Sendo assim, o Ministério Público e demais instituições não poderão mais investigar crimes.
Então é esse Senador inidôneo que quer censurar a liberdade de expressão nas redes sociais.

terça-feira, 25 de março de 2014

POLITICA NA PB, E AINDA NEM COMEÇOU

Zenóbio-Toscano-foto-assessoria
Revoltado com RC, Zenóbio chama Hervásio de Pitbull.

Em entrevista concedida na Câmara de Guarabira onde foi realizada a coletiva da consulta do PSDB da Paraíba, o prefeito de Guarabira Zenóbio Toscano se envolveu em diversas polêmicas, uma foi a de ter tentado obscurecer o que disse em entrevista sobre o resultado das eleições de 2014 dizendo que Cássio venceria ainda no primeiro turno e outra polêmica também muito expressiva e que ainda estava obscura, foi uma entrevista que o Prefeito Zenóbio concedeu ao radialista João Moura da Rádio Talismã FM, em que o prefeito diz que Hervásio Bezerra é um Pitbull na Assembleia.
Zenóbio em todo momento da entrevista se atêve a criticar a postura do Governador Ricardo Coutinho, dizendo que Ricardo estava a todo tempo nos bastidores conspirando e trabalhando contra a candidatura da Deputada Léa Toscano, fazendo até citações sobre o apoio do prefeito de Caiçara, Cícero a sua esposa e que RC teria atravessado Hervásio no caminho, atrapalhando os planos de Léa.
Zenóbio chegou a dizer que ” foi o comportamento do Governador Ricardo, Léa é a única Deputada do PSB na Assembleia, votou todas as matérias do governo na Assembleia, enquanto isso o prefeito Cícero (Caiçara), deu entrevista e já faz algum tempo e dizendo que deixava de votar em Léa que o compromisso era esse, para votar no Deputado Hervásio Bezerra a pedido do governador”.
Zenóbio ainda ressaltou que se continuasse apoiando RC ele não ia destruir somente a ele e a Léa, mas iria destruir todo o PSDB, o Senador Cássio e os seus companheiros e ainda citou que ” Ricardo importou um deputado para a região que tem comportamento de Pitbull lá na Assembleia” se referindo ao Deputado Hervásio.

Rudney Araújo da redação do Nordeste1.com

segunda-feira, 24 de março de 2014

Três cidades brasileiras estão entre as dez mais violentas do planeta

A impunidade impera nas três cidades mais violentas do Brasil.

Maceió, Fortaleza e João Pessoa têm taxa de homicídios considerada epidêmica pela Organização Mundial da Saúde.


No último domingo (16), o Fantástico mostrou como é viver na cidade mais violenta do mundo - San Pedro Sula, em Honduras. Neste domingo (23), os nossos repórteres viajaram pelas três cidades brasileiras que estão entre as dez mais violentas do planeta. Uma delas, vai receber jogos da Copa do mundo.
Nestes locais se mata por qualquer motivo: paixão, discussão, tráfico. “A morte é sempre entre 15, 21, 22 anos. Não passa disso”, destaca um policial.
Uma pessoa assassinada a cada duas horas. O crime é bem perto das autoridades. O que impressiona é que a venda de drogas funciona bem em frente à delegacia.
Durante um mês, o Fantástico percorreu as cidades brasileiras que aparecem no ranking das dez mais violentas do planeta entre as que não estão em guerra: Maceió, Fortaleza e João Pessoa. O levantamento foi feito por um respeitado grupo de estudos mexicano.
Sexta, 7 de fevereiro, às 22h30, o bar de forró no centro de Maceió é um dos mais agitados da região, mas a festa termina de repente. Veja os tiros no alto do vídeo acima. Pessoas se escondem embaixo das mesas, atrás do balcão, uma delas pede socorro.
Polícia: Polícia militar, boa noite
Vítima: Mande uma viatura urgente na Rua das Árvores. Pelo amor de deus. Mande logo.
Maceió é a quinta cidade mais violenta do mundo, e primeira do Brasil, segundo o estudo mexicano. Em 2013, foram 79 homicídios para cada 100 mil habitantes. Acima de 10 homicídios por 100 mil habitantes, a Organização Mundial de Saúde, considera uma epidemia de violência.
De acordo com números do próprio governo estadual, a maioria das vítimas de homicídios em Maceió é de jovens, com idade entre 18 e 29 anos.
“Quem está na orla não consegue visualizar que, todos os dias, na cidade de Maceió, pelo menos cinco jovens estão morrendo. E esses jovens não estão morrendo na orla. Eles estão morrendo nas periferias”, destaca a socióloga Ruth Vasconcelos.
Durante os nove dias que passamos em Maceió, foram 19 assassinatos. Em todos, os criminosos nem se preocuparam em esconder o rosto.
Segundo a polícia, geralmente, os assassinos mandam informantes para o local do crime. Eles querem saber se algum morador está colaborando ou não com as investigações. Por isso, a lei do silêncio. Ninguém fala nada, ninguém ajuda.
Com 46 anos, Sebastião Borges dos Santos não ajudou na investigação de um homicídio, diz a polícia. Mas os traficantes acharam que sim. E mataram o borracheiro com um tiro na cabeça.
Uma das 12 cidades-sede da Copa e palco do segundo jogo do Brasil na competição, Fortaleza é a sétima cidade mais violenta do mundo e a segunda do Brasil, de acordo com o levantamento. São 72 assassinatos por 100 mil habitantes.
Como em Maceió, os jovens são as principais vítimas. Carlos Henrique foi morto com dois tiros. Segundo a polícia, por dívida com o tráfico. O assassino não foi preso e conta com a estatística oficial a seu favor. Hoje, o estado do Ceará tem 58 mil foragidos, 11 mil deles acusados por homicídio. O Fantástico teve acesso a mandados de prisão que deveriam ter sido cumpridos em 1995, 1994 e até em 1991, ou seja 23 anos engavetado.
“O criminoso, no Ceará, para ser preso, tem que ser muito azarado. A Polícia Civil não tem efetivo pra investigar nenhum crime”, destaca o presidente do sindicato de Policiais Civis do Ceará, Gustavo Simplício Moreira.
A principal delegacia responsável pela captura dessas pessoas, que fica em Fortaleza, está em situação precária, com as celas lotadas. Para socorrer os presos doentes, os agentes precisam pedir ajuda para os próprios presos.
Só no carnaval de 2014, 25 pessoas foram assassinadas em Fortaleza. E nesta semana, novos homicídios assustaram os moradores. Entre eles, o de um universitário de 19 anos, morto durante um sequestro-relâmpago.
“A gente tem uma situação que não é de conforto. Mas você tem a polícia fazendo o seu papel, dando as respostas adequadas. Para você ter ideia, nós realizamos nos últimos cinco meses cerca de 10.500 prisões em flagrante”, destaca o Servilho de Paiva, secretário de segurança do Ceará.
O Fantástico foi até João Pessoa, a nona cidade mais violenta do mundo, e terceira do país, segundo o estudo.
O que impressiona na cidade é que a venda de drogas funciona bem em frente à delegacia. Os compradores chegam a pé, de carro, até se atrapalham e disfarçam mal, mas ninguém para a ação dos criminosos. O nosso produtor se aproxima do grupo, fingindo estar interessado na droga. O traficante não se preocupa com a polícia.
No fim do dia, o delegado titular da delegacia do turismo, Francisco Azevedo, chama dois rapazes, um deles é o homem flagrado pela nossa equipe vendendo drogas.
Eles entram, ficam três minutos, e, logo em seguida, deixam o prédio para voltar à rotina. Hoje, o delegado disse para a repórter Meiry Alves que suspeitava do tráfico na região e chamou os dois em busca de informações.
Delegado: Todas as pessoas que são chamadas na delegacia são chamadas para dar esclarecimentos
Fantástico: O senhor sabia que eles vendiam droga?
Delegado: Até aquele momento não.
Depois que a secretaria foi informada dos flagrantes, os traficantes que agiam na frente da delegacia foram presos.
João Pessoa tem uma taxa de homicídios considerada epidêmica pela Organização Mundial da Saúde. São 66 para cada 100 mil habitantes
“É um trabalho que a gente tem focado muito, principalmente nos crimes contra a vida, mas demonstrando que o caminho é certo e já há uma boa redução, mas a gente reconhece que ainda falta fazer”, disse secretário de Segurança da Paraíba, Cláudio Coelho Lima.
O filho de Dona Maria faz parte desses números. “A gente estava na igreja e, quando eu cheguei lá, eu vi a cena, que nenhuma mãe queria ver. Meu filho morto, na calçada”, conta.
Tibério de Oliveira tinha 24 anos e foi morto com 9 tiros em 2011. A família diz que foi por engano.
“Meu irmão não tinha rixa com ninguém, não tinha dívida. Então quem o conhecia sabia disso”, diz o irmão Kaleb.
Para o Ministério Público, muitas mortes estão relacionadas ao tráfico de drogas. Mas uma investigação da Polícia Federal também apontou a existência de milícias e grupos de extermínio, formados por policiais.
O Fantástico teve acesso aos detalhes do inquérito. Segundo o documento, uma das gravações mostra o major da PM, Gutemberg Nascimento de Lima, negociando uma espingarda.

O major foi indiciado pela Polícia Federal por comércio ilegal de armas, formação de milícia e lavagem de dinheiro. Por telefone, ele disse ao Fantástico que é inocente e vítima de perseguição política. Além do major, sete policiais civis e dez militares devem ser julgados por diversos crimes.
Voltamos para Maceió - a primeira cidade em todo o país a receber ajuda da Força Nacional. O trabalho começou em 2012 e a taxa de homicídios vem oscilando ano a ano. Comparando 2013 a 2011, a queda é de 16%.
“A Força Nacional continua até que o efetivo que prestou concurso seja capacitado para assumir as funções e ai a força segue para outro estado do país”, disse a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki.
E é justamente a falta de efetivo, uma das principais reclamações ouvidas pelo Fantástico.
Em 2004 eram 10.398 homens, hoje, dez anos depois, são 10.012.
A nossa equipe rodou 30 quilômetros durante uma noite nas principais ruas e avenidas de Maceió, e não viu policiamento algum.
Mesmo durante o dia, o tráfico de drogas, um dos combustíveis de tantos homicídios, funciona tranquilamente nas praias de Maceió. Em alguns locais são crianças que negociam a droga.
“Nós iremos mostrar ao povo do Brasil que Alagoas, que tem um povo ordeiro, não tolera de forma alguma conviver com essa criminalidade, conviver com esse tipo de situação”, destaca o secretário de Defesa Social de Alagoas, Eduardo Tavares.
Para o Ministério Público, um dos fatores que contribui para tanta violência no estado é a impunidade.
“O que chama atenção em Alagoas é o número de processos movidos contra autoridades. Só que esses processos se eternizam, esses processos tramitam lentamente e não existe uma resposta à altura. O que faz com que aumente a descrença do povo no sistema de Justiça”, disse o procurador-geral de Justiça Sérgio Jucá.
No estado de Alagoas, dois deputados, um ex-vereador e um ex-secretário de Segurança foram denunciados por homicídio, entre 2004 e 2012. Em todos os casos, eles aparecem como mandantes de assassinatos. Até agora não foram julgados e aguardam em liberdade. São eles: o deputado federal Francisco Tenório, do PMN; o deputado estadual, João Beltrão, do PRTB; o ex-vereador de Maceió, Luís Pedro; e o ex-secretário de segurança de Alagoas, Robervaldo Davino, que hoje é um dos diretores da Polícia Civil.
Fomos atrás das autoridades. Em nome de João Beltrão, falou o advogado. “Não tem absolutamente nada. Esse é um fato que ocorreu há mais de 15 anos. Há mais de 15 anos”, diz José Fragoso Cavalcanti.
O advogado também defende o ex-vereador Luís Pedro. “Ele é inocente. Em verdade essa história foi criada por uma pessoa aqui em Maceió, uma fonte que é absolutamente inidônea”, disse.
Também foi um advogado que falou em nome do deputado federal Francisco Tenório. “Nos dois processos que o deputado ficou como réu não há o mínimo indício de prova que ele seja o autor intelectual desses homicídios”, disse o advogado Fábio Henrique Cavalcante Gomes.
E o atual secretário de Segurança explicou por que o ex-secretário, acusado de homicídio, ocupa, agora, um cargo de diretor na Polícia Civil. “Até que ele seja julgado, ele precisa ficar exercendo o seu cargo, mas o delegado Davino é um delegado atuante. É um delegado que apresenta resultados”, avalia Eduardo Tavares.
O advogado de Davino disse que vai provar a inocência dele: “Nós entendemos que não existe nenhuma prova contra ele de qualquer ato ilícito”, diz Fernando Maciel.
Há dois anos, a Universidade Federal de Alagoas decidiu fazer uma homenagem às vítimas da violência: um bosque do campus recebeu 140 mudas de árvores, cada uma representa uma pessoa. Ali, encontramos Seu Sebastião. O filho dele foi assassinado, com 21 tiros, dentro de casa. O corpo foi levado para o IML e desapareceu.
“Ocultaram o corpo do meu filho e fizeram o serviço pensando que era bem feito. Porque não encontrando o corpo, não teria crime”, disse o pai da vítima.
O crime foi em 2004, mas ainda falta julgar o acusado de ser o mandante: o ex-vereador Luís Pedro. Seu Sebastião diz que só vai descansar quando o crime for esclarecido e ele encontrar o corpo do filho.
“Para mim, na hora que eu estava plantando essa árvore, eu estava sepultando o meu filho. Então, para mim, até hoje, o meu filho está sepultado aqui”, diz ele.

quinta-feira, 20 de março de 2014

TRISTEZA E REVOLTA DE QUEM RECEBE O BOLSA FAMÍLIA

2013-615545244-2013052374046_20130523.jpgGLOBO
Como cidadão e cristão, imbuído da missão de caminhar com o povo de Deus, neste longínquo sertão paraibano, sinto-me na missão profética de defender, incondicionalmente, meus irmãos sofridos que, pelo fato de fazerem parte do programa social do governo federal, o bolsa família, são vítimas dos piores adjetivos  e  ataques injustos, desumanos e preconceituosos.



Toda semana visito as famílias da cidade e da zona rural. Ouço, com o coração de pastor, seus apelos, seus clamores. Elas falam de sua vida, suas dificuldades, seus aperreios, mas também de esperança, de sonhos...

Nas conversas com os sertanejos, percebo que os mesmos estão revoltados, tristes, com os ataques verbais que lhes são direcionados. São adjetivos agressivos, grosseiros, que ferem a alma do homem da mulher sertaneja. Tudo por causa do programa federal supracitado.

Vou consignar tudo o que tenho ouvido das famílias inscritas no programa do bolsa família. São palavras sérias, carregadas de verdade, emoção, indignação e tristeza.

-Padre Djacy, tem gente que diz que a gente que recebe o bolsa família e vagabundo. Isso é uma mentira, a gente fica revoltada com isso.

-A gente não é vagabundo nem malandra, a gente é honesto, trabalhador. 

-O povo pensa que nós vivemos de malandragem por causa dessa bolsa família. Esse povo não sabe o que é sofrimento, nunca vem ver de perto nossa situação.

-O bolsa família, seu padre, é a nossa sorte. Se não fosse esse dinheiro, a gente já estaria era morto.

-Vou lhe dizer uma verdade, Padre, se não fosse o bolsa família, o povo já teria saqueado mercados, escolas, creches, feiras e tudo mais. Graças a Deus, com esse dinheiro do bolsa família, não foi preciso.

-Pode ser pouco, como  de fato é, mais ajuda demais  a gente. Graças a Deus.
-Eu agradeço a Deus e a quem enviou para nós esse programa chamado bolsa família. É a nossa sorte. Graças a Deus.

-É triste para o homem trabalhador e sério do sertão, ser chamado de vagabundo, preguiçoso por receber o bolsa família. É muito triste mesmo.

-Tem gente que nos chama de vagabundo, preguiçoso, porque recebemos o bolsa família, mas ninguém que nos chama assim tem coragem de nos ajudar.
-Anote aí, seu Padre: nós do sertão estamos sendo humilhados e maltratados quando chamam a gente disso e daquilo. A gente trabalha, batalha para manter a família.

-Quem chama a gente de preguiçoso e vagabundo é porque nunca sofreu, nunca  passou fome, nunca passou necessidade. É gente que vive nadando em dinheiro, em comida, em luxo.

-Na seca de 2012, uma grande seca, a nossa felicidade foi o bolsa família. Se não fosse a gente não estaria nem viva pra contar a história.

-Esse povo importante, rico, sei lá o que for, nunca veio a nossa casa para ver o nosso sofrimento, as nossas necessidades. Esse povo que mete o pau na gente, não ajuda em nada, nunca vem, sequer, com uma feirinha.

-Só quem é pobre, passa necessidade, sabe a importância do bolsa família.
-Chamar os trabalhadores da roça de vagabundo é uma vergonha, uma tristeza. Eu me sinto humilhado, injustiçado. Eu fico muito triste com isso.

-Eles dizem que o bolsa família é bolsa vadiagem, bolsa malandragem. Isso é uma mentira. O dinheiro que a gente recebe é para nossos filhos. A gente não aceita essas mentiras deslavadas.

-Tem gente que chama quem recebe o dinheiro de bolsa família de preguiçoso, mas quando é tempo de eleição, vem bater na nossa porta atrás de nosso voto.

-Quem vive de bucho cheio não sabe o que sofrimento e não pensa nos pobres. Por isso vive dizendo que a gente que recebe o dinheiro do bolsa família é isso ,é aquilo. Essa gente não tem coração, essa gente só pensa nela mesma.

-Quando não tinha bolsa família, em tempo de seca, morria muito gente de fome. Neste ano de 2012, não morreu ninguém por conta do bolsa família. Este ano foi diferente dos outros anos.

-Quem chama a gente de viciado em dinheiro do bolsa família, não ajuda em nada. Na seca, não apareceu ninguém com uma feira. Agora criticar, sabe.
-Na seca de 2012, a nossa sorte foi esse dinheiro do bolsa família. A nossa sorte. Ninguém morreu de fome não.
-Olha Padre, a gente recebe o bolsa família e nossos filhos estão na escola. Nenhum perde aula. Graças a Deus.

-Muitos chamam a gente de vadio, preguiçoso, sei lá mais, mas não ajuda em nada. Gasta um dinheirão danado com o cachorro de estimação, mas não é capaz de ajudar uma criança pobre.

Como sertanejo e pastor, não admito que meus irmãos sertanejos, fortes, valentes, determinados, guerreiros, sejam tratados maldosamente, com os piores adjetivos, pelo fato de ser beneficiados pelo o bolsa família. Tratemo-los com muita dignidade.

Padre Djacy Brasileiro
Pedra Branca-PB, em 17 de março de 2014.
Twitter: @PadreDjacy

quarta-feira, 19 de março de 2014

Fim da vitaliciedade no Supremo causa polêmica na CCJ



O senador Romero Jucá (PMDB-RR) apresentou parecer contrário à Proposta de Emenda Constitucional (PEC)58/2012, do senador Roberto Requião (PMDB-PR), que acaba com a vitaliciedade no cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) para fixar em oito anos a duração do mandato.
- Reconheço que em algumas partes do mundo existe mandato para ministro do Supremo, mas entendo que a rotatividade de oito anos geraria instabilidade sobre a jurisprudência nacional - declarou Jucá, ao defender seu parecer.
A matéria é mais um tema polêmico que a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) tem para analisar. Nessa quarta-feira (12), após a apresentação do relatório, houve debate entre os senadores, mas a decisão foi adiada porque o senador Eduardo Suplicy apresentou pedido de vista, suspendendo a discussão da proposta até a próxima quarta-feira (19).
Perspectivas distintas
O ponto central dessa discussão é a prerrogativa da vitaliciedade assegurada aos membros do Poder Judiciário, além do viés político presente nas indicações, questões vistas de formas diferentes pelo autor e pelo relator. De acordo com a Constituição, os membros do STF são nomeados pelo presidente da República, após aprovação da escolha pela maioria absoluta do Senado Federal.
Romero Jucá acredita que a delimitação de mandato poderá comprometer a independência dos ministros do STF, direcionando seus julgamentos conforme os interesses de um governo que eventualmente pode acenar com a promessa de futuros cargos ou vantagens. Ele também considera “incongruente” retirar dos membros do Supremo uma prerrogativa mantida para os demais juízes.
Já o senador Roberto Requião sustenta que a instituição não só se impõe como órgão essencialmente político, como também tem uma composição distinta das demais instâncias judiciais do país.
“A composição do tribunal não tem elementos que o caracterizem como parte da carreira da magistratura”, afirmou Requião ao justificar a PEC 58/2012.
Outras mudanças
A fixação de mandato para os ministros do STF, se aprovada, implicará outras mudanças na estruturação do tribunal. A medida elimina, por exemplo, a compulsoriedade de aposentadoria aos 70 anos. Encerrado o mandato de oito anos, o juiz, membro do Ministério Público ou servidor público nomeado ministro do Supremo deverá voltar a exercer suas funções no órgão de origem.
A PEC 58/2012 proíbe ainda a recondução ao cargo a qualquer tempo; estabelece o cumprimento do restante do mandato por ministro substituto caso o cargo fique vago; e estipula as datas finais dos mandatos dos ministros empossados nas vagas abertas a partir da vigência da emenda constitucional.
Na hipótese de o parecer de Jucá ser derrubado e a CCJ aprovar a proposta como está, a PEC seguirá para dois turnos de votação no Plenário do Senado para depois ser votada pela Câmara dos Deputados.

sexta-feira, 7 de março de 2014

MULHERES SENADORES

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher neste 8 de março, uma homenagem às senadoras do Brasil. A bancada feminina atualmente é composta por nove integrantes (há ainda uma décima senadora: Marta Suplicy, que exerce o cargo de ministra da Cultura).
1 - Posse da atual legislatura em 2 de fevereiro de 2011. Na foto: Gleisi Hoffmann, Maria do Carmo Alves, Vanessa Grazziotin, Ana Amélia, Marta Suplicy (atualmente licenciada), Kátia Abreu, Lúcia Vânia, Marinor Brito (ex-senadora), Marisa Serrano (ex-senadora), Lídice da Mata, Ana Rita e Angela Portela. Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado.
2 - Senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS). Foto: Geraldo Magela / Agência Senado.
3 - Senadora Ana Rita (PT-ES). Foto: Márcia Kalume / Agência Senado.
4 - Senadora Angela Portela (PT-RO). Foto: Pedro França / Agência Senado.
5 - Senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Foto: Pedro França / Agência Senado
6 - Senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). Foto: José Cruz / Agência Senado
7 - Senadora Lídice da Mata (PSB-BA). Foto: Moreira Mariz / Agência Senado
8 - Senadora  Lúcia Vânia (PSDB-GO). Foto: Moreira Mariz / Agência Senado
9 - Senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE). Foto: Geraldo Magela / Agência Senado
10 - Senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Foto: José Cruz / Agência Senado.

quinta-feira, 6 de março de 2014

RJ: juíza decide processos em que aparece como autora

Uma juíza é investigada por ter julgado processos em que ela mesma aparecia como autora. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, em 2010, Sílvio Regina Criscuolo julgou e venceu quatro processos em que ela era parte interessada. Nas ações, ela recebeu indenizações que variaram entre R$ 633,92 e R$ 10 mil. Os casos são investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).
Segundo as investigações, as ações geralmente eram movidas contra empresas pela cidadã Sílvia Criscuolo, que de alguma forma sempre se sentia prejudicada. Como em todos os casos seu pedido era inferior a 20 salários mínimos, os casos eram encaminhados para Juizados Especiais Cíveis, onde ela é titular.
Criscuolo aparece como autora em 23 processos na Justiça do Rio e como ré em outros quatro. Segundo o CNJ, ela entrava com as ações nos locais onde trabalhava. A juíza participava das audiências como autora diante de um juiz leigo e, depois de encerrada a audiência, ela assumia seu papel de juíza titular para decidir sobre o seu próprio caso.
Em sua defesa ao CNJ, ela justificou dizendo que "decidiu no meio de outros processos sem saber que fazia parte deles". O CJN estuda criar um mecanismo para proibir esse tipo de brecha legal.

DOM ORVANDIL DESCASCA JOAQUIM BARBOSA

:
Bispo e professor não perdoa: chama o presidente do Supremo Tribunal Federal de "fracassado", "cara de pau", hipócrita e traidor; segundo ele, o que fica da Ação Penal 470 "é a desfaçatez de um malandro golpista que constrói um falso circo de condenações sem provas para prender inocentes"
Em post em seu blog, o pastor anglo-católico, professor e militante Dom Orvandil desfere uma longa lista de críticas contra o presidente do STF, Joaquim Barbosa e avalia que o que fica da Ação Penal 470 "é a desfaçatez de um malandro golpista que constrói um falso circo de condenações sem provas para prender inocentes". Leia seu texto:
Joaquim Barbosa é uma chaga social violenta e malcheirosa
Querida amiga Lohayne
Muitos autores, pensadores, jornalistas, cientistas políticos e sociais, juristas, partidários sérios da justiça, artistas e teólogos pensam e escrevem sobre as diatribes e falta de respeito de Joaquim Barbosa, acentuadamente desde que à frente do Supremo Tribunal Federal e principalmente quando o Ministro Barroso descascou toda a trama montada em torno das mentiras e desvios do chamado "mensalão do PT."
Vivemos a impressão de que um temporal ético se armava em forma de carnaval quando de repente a máscara cai e mostra que o reizinho veste-se de nudez e má fé.
O que fica é desfaçatez de um malandro golpista que constrói um falso circo de condenações sem provas para prender inocentes. O objetivo é atender a sede de golpe de uma elite e de uma mídia acostumadas a manter esse povo cego, calado e escravizado.
Depois que o arbitrário, violento batedor em mulher, em velho e socador da poltrona da sala de seções do STF quando viu sua falsa tese condenatória cair aos cacos e cair a máscara começam a aparecer as pontas dos cabos que o ligam aos golpistas. Quem acompanha os noticiários televisivos, lê os jornalões e revistas mentirosas sabe que todos os meios mediáticos foram utilizados para pressionar os ministros e para impressionar a chamada opinião pública a constrangê-los a fazer sujeira, a sujeira comandada pelo fracassado Joaquim Barbosa.
Mas não foi somente através da mídia que a elite domesticadora e dominante agiu. Como diz o meu amigo jornalista Altamiro Borges, essa elite é competente e inteligente. Eu não acho isso, em todo o caso vamos lá.
Organizações como o escritório Borges e Strübing Müller Advogados, de Adriano José Borges Silva - ex-genro de Ayres Britto, que saiu direto do STF para outra organização golpista - dono de imensa mansão em Brasília, frequentada por Joaquim Barbosa para tratar de "investimentos" no exterior, sempre cuidadosamente sem a presença dos funcionários da mansão e sem testemunhas. Adriano publicou documento de teor claramente golpista contra o que classificou de caos político no País [1]. Adriano é um dos mentores do mistificador e golpista da justiça.
O senhor Ayres Britto, com aquela voz mansa e com fama de poeta, "depois de sair do STF virou presidente do Instituto Innovare, um dos braços políticos da Rede Globo e que até pouco tempo atrás (sic) dava prêmios em dinheiro para magistrados e promotores"[2]. Essa ligação já é bastante promíscua e indicativa de orientação de dicas políticas a Joaquim Barbosa e a Gilmar Mendes. É fácil entender que as armações para condenar Dirceu, Delúbio, Pizollato, Genóino e João Paulo Cunha visavam desmoralizar os que a direita entendia como elaboradores da vitória eleitoral da esquerda e do governo de Lula. A decisão de caluniar o grupo da cúpula do governo e de enganar o povo se esclarece cada vez mais.
O jornalista Paulo Nogueira[3] conta que a Innovare é claramente uma empresa da Globo. Sua função é fazer a mente da justiça em todo o País. Essa empresa paga altos valores a palestrantes. Quem ganha muito dinheiro em palestras são exatamente Joaquim Barbosa e Gilmar Mendes. Este ministro é um dos mais suspeitos de ligações escusas desde que era advogado de Fernando Henrique Cardoso. O site de Nogueira mostra fotos desses ministros em encontros na Innovare juntamente com os donos da Globo.
Luiz Nassif identifica a conduta grosseira e o discurso de Joaquim Barbosa com o clima "de radicalização, de criminalização da política, do denuncismo desvairado que a oposição levantou a partir de 2006 e, especialmente, a partir da era José Serra.
Trouxeram de volta para a cena política o macartismo, abusaram da religiosidade, despertaram os piores demônios existentes no tecido social brasileiro, aqueles que demonizam as leis e propõem o linchamento, transformaram a disputa política em um vale-tudo.
Não valia denunciar aparelhamento da máquina, a política econômica, apontar erros na gestão pública, como em qualquer disputa política civilizada.
Repetiram nos mínimos detalhes a radicalização da política norte-americana, o movimento da mídia e do Partido Republicano dos Estados Unidos adotando o discurso virulento de ultra-direita do Tea Party."[4].
Não tenho dúvidas de que Joaquim Barbosa, vestido de imensa hipocrisia e cara de pau, era porta voz de organizações políticas das mais perversas da direita golpista e fascista brasileira. Tanto suas ligações reais quanto seu discurso e comportamento toscos, intenso em desrespeito e falta de civilidade, sinalizam o uso do Supremo Tribunal Federal como aparelho para a prática de golpes contra o País e a democracia.
Já escrevi aqui sobre a traição que esse homem representa para os negros e para os pobres. Carrega a tintura de nossa origem africana em uma mente colonial embranquecida e imperialista na realização dos interesses dos escravocratas. Quando empossado no cargo de presidente do STF apresentou sua mãe sofrida pelos tempos de trabalho duro de trabalhadora doméstica e mencionou seu pai pobre. Porém, Joaquim os desonra ao trair os pobres no acercamento dos ricos e poderosos com o objetivo de obter vantagens financeiras e de ver o mundo a partir da ideologia dominante. Vergonhoso e mau exemplo para o povo.
Joaquim Barbosa ao servir aos interesses mesquinhos dos poderosos, que odeiam o povo e a revolução libertária, encarna o espírito de porco e se torna chaga social malcheirosa, carente de ser extirpada de onde indignamente está.
Poxa, Joaquim Barbosa causa estragos na consciência informe e ingênua de nosso povo. Na tarde em que saiu o resultado que condenou à prisão os tais "mensaleiros" fui a uma farmácia comprar refis para minha bombinha contra a asma. Relaciono-me bem com o balconista. Mas o mal joaquiniano atingiu o rapaz que disse achar muito "bão" prender aqueles "ladrões". Esse é o serviço de Joaquim Barbosa ao levar os cegos sociais a cegueira rancorosa e odiosa, imersas em tremendas injustiças. Um aluno meu de um curso de pós-graduação ao se encontrar comigo me perguntou o que achei da prisão dos mensaleiros.
O grave de tudo é que as pessoas a cabresto da dominação que insensibiliza e bestifica se sentem alimentadas pelo desserviço da besta fera. Repentinamente as pessoas se mostram armadas e prontas para a guerra, sem a menor criticidade e questionamento sobre as forças que movem pessoas tão degradadas como Joaquim Barbosa e Gilmar Mendes.
Penso que a verdade começa a mostrar sua face em meio a toda a borrasca. Nosso desafio é suspeitar sempre do que a mídia "anuncia" e de suas calúnias. O poderio da classe dominante se traduz sempre em tentar influenciar os que comandam os poderes. Desgraçadamente o Supremo Tribunal Federal está nas mãos da pior orientação, a mais injusta possível.
Sinto enorme tristeza com o fato Joaquim Barbosa. Ele é uma amargura estúpida e egoísta, uma completa frustração da justiça. Sua origem negra e pobre lhe deu a grandiosa oportunidade e raízes robustas para escolher o caminho mais justo a seguir. Poderia inspirar-se em Marthin Luther King e somar-se aos que vivem sob condições desumanas e oprimidas. Poderia orientar-se por Nelson Mandela e lutar pela defesa e libertação do povo negro e pobre de nosso País e do mundo, como o grande líder sul africano fez virando um santo canonizado por seus irmãos de luta. Poderia exemplificar-se em Mahatma Gandhi na luta contra a violência e a opressão imperialista. Teve a oportunidade de entender Zumbi e Tiradentes na luta contra as brutais causas da opressão que desumaniza.
Mas não, que pena, Joaquim Barbosa optou pelas ilusões dos traidores e oportunistas ladrões da justiça e do povo. Preferiu virar de costas para o povo em busca do falso prestígio, próprio dos traidores. Deve pagar esse custo!
Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz.